João Viveiro

Apresentamos João Viveiro, mais uma pessoa apostada no caminho para a sustentabilidade em que Seia está envolvida.

O que faz?

Sou professor do quadro há longos anos. Licenciado em Ensino, no grupo disciplinar de Educação Visual e Tecnológica, leciono também disciplinas da área de Matemática, Ciências e TIC. Com pós-graduação em Gestão e Administração Escolar, possuo o Mestrado (parte curricular) na mesma área de gestão escolar. Atualmente, como Diretor do Agrupamento, não leciono, dedicando-me exclusivamente às tarefas de gestão e administração escolar do agrupamento. Possuo mais de 36 anos de serviço na Escola Pública, com largos anos de experiência de gestão. Comecei a lecionar ainda estudante em Coimbra. Gosto da minha profissão, gosto do que faço, gosto do meu papel não só como transmissor do conhecimento técnico e científico, mas também como interveniente no ato educativo e do meu contributo para a educação e formação do carácter dos jovens cidadãos do futuro.

Onde trabalha?

Continuo a trabalhar na Escola Dr. Guilherme Correia de Carvalho, agora Agrupamento de Escolas Guilherme Correia de Carvalho, desde o longínquo ano letivo 1981/82. Nesse tempo a escola era conhecida como o Ciclo Preparatório Dr. Gaspar Rebelo e situava-se precisamente no local onde hoje se situa a Igreja Nossa Sra. do Rosário. Eram tempos difíceis, pois as aulas eram lecionadas em pavilhões prefabricados frios e desconfortáveis. Só em 1986 mudámos para as atuais instalações.

Diga-nos uma coisa de que gosta muito e uma que detesta.

Gosto de preservar e alimentar as minhas amizades. Um verdadeiro amigo é um bem precioso. Gosto de política feita por políticos honestos, de conversas inteligentes, cultas, do confronto das ideias, em temas como Educação, Ambiente, Análise Social, entre tantas outras. Já a mentira, a injustiça, a maledicência de quem nada faz, a corrupção e o falso puritanismo são algumas das coisas que detesto.

Colabora na Agenda 21 Local de Seia (A21L) desde o início. Como explicaria aos Senenses o que é?

A A21L pode ser sintetizada através dos seguintes provérbios Índios: “A Terra não pertence ao Homem, é o Homem que pertence à Terra” e ainda: “Nós não herdámos a Terra dos nossos antepassados, pedimo-la emprestada aos nossos netos”. Devemos então cuidar e proteger os recursos naturais, tantas vezes escassos, que o planeta Terra nos disponibiliza, de forma abnegada e generosa, proporcionando o seu livre acesso às gerações futuras que por seu lado deverão dar continuidade a esta tarefa. A A21L é um processo que procura alcançar este compromisso entre preservação de recursos e a sua inevitável sustentabilidade e esse é que é o verdadeiro desafio.

Como acha que os Senenses podem colaborar?

Os cidadãos do concelho de Seia têm de ser motivados. Para isso têm que ser esclarecidos. Só poderemos fazer escolhas conscientes se conhecermos verdadeiramente os problemas e é isso que se pretende. Só deste modo as atividades ambientalistas terão o necessário retorno e as pessoas passarão da teoria à prática promovendo mudanças comportamentais. Por exemplo, não basta só ver e ouvir falar sobre a importância de preservar a água, este bem essencial à vida, as pessoas têm também de mudar os seus hábitos e comportamentos e só poderão fazê-lo se estiverem verdadeiramente dentro dos problemas e das consequências do seu uso indevido. E aí já vão optar por ter jardins com plantas com menos exigência de água, evitar os banhos de imersão e poupar água na higiene diária, não deixar as torneiras a correr desnecessariamente, entre outros. Estes comportamentos e atitudes são fundamentais à preservação do Ambiente e de uma Vida verdadeiramente sustentável.