Filme de José Tavares Correia em exibição no NMS

O CÃO PERDEU O SEU DONO

 (Uma História Singela)

Às 15h do dia 17 de Setembro, venha conhecer o filme de um dos famosos artistas senenses e ainda conhecer como eram as actuais instalações do NMS no ano de 1968!

Sinopse

“Um velho pobre, aparentemente cansado e doente, é visto pelos olhos de um pintor, de uma avarento e de um casal e sua filha benfeitor. O dinheiro que recebe do pintor parece perturbá-lo. Cai e é levado para o hospital onde acaba por falecer. O cão, amigo fiel e leal, acompanha o seu dono até à morte. Uma história singela, como o seu autor e realizador a denomina, numa vila do interior, nos anos sessenta, do século passado.”

Sobre o autor:

José Tavares Correia de Carvalho nasceu em Seia, no dia 5 de Dezembro de 1908, e faleceu a 21 de Setembro de 2005, um pouco antes do seu 97º aniversário.
Surdo-mudo de nascença, frequentou o Instituto de Surdos-Mudos da Casa Pia de Lisboa de 1918 a 1927, realizando aí os seus estudos escolares e artísticos, de 1923 a 1926, sob a direcção de Augusto de Campos e Pedro Guedes. Estes artistas reconhecendo a sua vocação para as artes levaram-no a frequentar os cursos de desenho e pintura da Sociedade Nacional de Belas-Artes, que concluiu em 1929, ano em que expôs no Salão Internacional das Artes de Paris. Em 1932 foi considerado como “uma revelação no meio artístico”. A crítica da altura referiu-se ainda ao artista como o “pintor da neve”, a propósito de uma exposição que realizou em Lisboa em 1934. Até 1991 pintou mais de 1.600 quadros e 400 retratos.
Os 41 anos que se seguiram dedicou-os ao desenvolvimento da sua terra natal, tendo elaborado, ao serviço da Câmara, diversos projectos de obras, estradas, águas, calcetamentos de ruas, escolas e cemitérios. Durante estes anos realizou cerca de 40 exposições individuais em Seia, Lisboa, Figueira da Foz e Moimenta da Beira.
Autor do projecto do Monumento aos Mortos da Grande Guerra, em Seia, do monumento a Nossa Senhora da Conceição, em São Romão, e do Padrão Centenário, ilustrou em conjunto com Luís Melo a Monografia da Vila/Cidade de Seia, da autoria do Padre Dr. José Quelhas Bigotte. Tavares Correia foi também pioneiro no cinema em Seia tendo realizado alguns filmes das suas viagens.
Em 1985 foi distinguido pela Câmara Municipal de Seia com a Medalha de Ouro e Diploma de Mérito Municipal e a 3 de Julho de 2006 a autarquia atribuiu o seu nome a uma rua da cidade. (fonte: http://www.cm-seia.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=691&Itemid=97)

Ficha técnica:

Argumento e Realização: José Tavares Correia (Surdo-Mudo)

Assistente de Realização: Abreu Pina

Ano de Realização 1967 ou 1968

Local das Filmagens: Seia, Praça da República, Hospital de Seia: Valezim, Cemitério

Participantes por ordem de aparição

O Homem: Joaquim da Silva Nogueirinha (Picareto)

O Cão: Ribeira

O Pintor: António Júlio Vaz Saraiva

O Casal e a Criança: António Marques, Maria José e Anabela Sampaio

O Avarento: Alexandre Melo

O Miúdo: José Belarmino Mendes

O Farmacêutico: Abreu Pina

Os Bombeiros: Motorista da Ambulância: José Pinto Viegas; Maqueiros: José Teixeira e António Hortênsio

O Médico: Joaquim Guilherme Correia Carvalho

O Enfermeiro: Luís Ferreira (Luizinho)

Viúva: Alda Judite Ferreira.

Anúncios

Posted on 13/09/2011, in Agenda, Notícias, Novo Mercado de Seia. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Os comentários estão fechados.